Medicina Preventiva /

Notícias

TUBERCULOSE

31/03/2014

  É uma doença contagiosa causada por uma bactéria Mycobacterium tuberculosis, também conhecida como Bacilo de Koch. Atinge principalmente os pulmões, mas pode ocorrer em outras partes do corpo, como nos gânglios, rins, ossos, intestinos e meninges.

São mais vulneráveis à doença as populações indígenas (3 vezes mais), presidiários (28 vezes) e moradores de rua (44 vezes mais), devido à dificuldade de acesso aos serviços de saúde e às condições específicas de vida, além das pessoas portadoras do vírus o HIV e AIDS.

Em 2013, o País registrou 71.123 novos casos de tuberculose, queda de 20,3% desde 2003. O Brasil ocupa, atualmente, o 16º lugar num ranking de 22 nações consideradas 'de alta carga' (onde há grande circulação da doença). No País, a tuberculose representa a 4ª causa de morte por doenças infecciosas e a 1ª causa de morte por doença identificada entre pessoas com HIV.

Dos 9 milhões de casos de tuberculose estimados no mundo, 3 milhões não são detectados e as pessoas não sabem da doença.

O Ministério da Saúde vai disponibilizar, gratuitamente, a partir de abril, o teste rápido para diagnóstico de tuberculose, que tem capacidade de detectar a presença do bacilo causador da doença em apenas duas horas.  No exame tradicional o resultado leva 24 horas e outros 60 dias para a análise da cultura de identificação de microbactérias. 



TRANSMISSÃO



A transmissão é realizada quando o doente tosse, fala ou espirra e, consequentemente, espalha no ar gotas pequenas com o micróbio da Tuberculose. Dessa forma, outra pessoa, que respirou este ar, pode levar este micróbio para o seu pulmão. Portanto, a tuberculose não se transmite pelo sexo, pelo sangue contaminado, pelo beijo, pelo copo, pelos talheres, pela roupa e/ou pelo colchão. A Tuberculose SÓ SE TRANSMITE PELO AR.

Não são todas as pessoas que entram em contato com o bacilo que vão adoecer. Na maior parte das vezes o organismo resiste e a pessoa não fica doente. Às vezes, mesmo que o organismo resista no momento, o micróbio fica "guardado" e a pessoa pode adoecer anos mais tarde, se estiver acometida pela AIDS, diabetes, câncer e outras doenças que "diminuem a imunidade". Apenas um pequeno grupo de pessoas pode ter a doença logo após o contato com o micróbio. E quando isto acontece, em geral, são pessoas debilitadas, crianças e idosos.

Somente os pacientes com a doença no pulmão que sejam bacilíferos que transmitem a tuberculose, ou seja, aqueles que eliminam o "bacilo de Koch" no ar. Quem tem Tuberculose em outras partes do corpo não transmite a doença. Os doentes de Tuberculose que já estão em tratamento não oferecem perigo de contágio, pois a partir do início do tratamento o risco de contágio vai diminuindo, um dia depois do outro e com 15 dias tomando corretamente os medicamentos já é muito provável que o paciente não esteja mais eliminando os bacilos de Koch.

O tempo para adquirir a tuberculose após contato com o bacilo de Koch no pulmão pode variar de semanas até anos, dependendo da resistência da pessoa.


PREVENÇÃO


É necessário melhorar as condições de habitação para diminuir a chance do contágio. Se há muitas pessoas dormindo no mesmo quarto, em casas mal ventiladas e onde não bate sol, o risco de contágio é muito maior.

Há também medidas de proteção individual, como a vacinação com BCG e a prevenção com remédio, que se chama quimioprofilaxia. A vacina BCG é aplicada no primeiro mês de vida e é capaz de prevenir as formas mais graves da doença, nas crianças.



SINTOMAS



O sintoma mais frequente da Tuberculose pulmonar no adulto é a TOSSE. Toda pessoa que apresente tosse que dure 3 semanas ou mais deve ser encaminhada ao médico para pesquisa de Tuberculose. Outros sintomas são: febre, suores noturnos, falta de apetite, emagrecimento e cansaço fácil. O doente pode apresentar todos esses sintomas, mas pode ter somente uma tosse que às vezes até passa despercebida.



 

TRATAMENTO



O tempo necessário para o tratamento da tuberculose é, em geral, seis meses.

Na maior parte dos casos são utilizados medicamentos: rifampicina, isoniazida e pirazinamida.

Todo paciente com tuberculose pode ser curado, desde que siga corretamente as orientações do médico e dos demais profissionais de saúde responsáveis pelo acompanhamento.

Quando o paciente com tuberculose abandona por conta própria o tratamento, isto possibilita o surgimento de "bacilos de Koch" resistentes aos remédios que hoje é usado para tratar a doença, dificultando o tratamento e podendo levar à morte.

 

"Quanto mais rápido é o diagnóstico da tuberculose, mais rápida também é a cura e menor é o risco de sequela ao paciente e de disseminação da doença".

 

Fontes: http://www.brasil.gov.br/saude; http://www.saude.sp.gov.br; http://www.portaldatuberculose.com.br




Escritório Central
(17) 3214-6499

Unidade Administrativa
Rua XV de Novembro, 4488 - Redentora
CEP 15015-110 - São José do Rio Preto/SP
Unidade Medicina Preventiva
Rua Redentora, 3140 - Redentora
CEP 15015-780 - São José do Rio Preto/SP
Unidade Comercial
Rua Redentora, 3238 – Redentora
CEP 15015-780 – São José do Rio Preto/SP
© Bensaúde - Todos os direitos reservados
desenvolvido por Diginova - Sites e Sistemas