Medicina Preventiva /

Notícias

Alcoolismo

21/02/2013

Neste mês de fevereiro e especificamente no dia 18, inicia-se a Semana Nacional de Combate ao Alcoolismo, a fim de alertar sobre os malefícios do consumo exagerado de bebida alcoólica.

O alcoolismo (dependência de álcool) e o abuso de álcool são duas formas diferentes de problemas com bebida alcoólica.

O alcoolismo ocorre quando a pessoa mostra sinais de dependência física do álcool e continua a beber, mesmo com problemas relacionados à saúde física, mental e nas responsabilidades sociais, familiares ou profissionais. O álcool pode passar a dominar a vida e os relacionamentos da pessoa a qual está sob a forte compulsão do álcool, uma necessidade que se mostra tão forte quanto a sede ou a fome.

Há pessoas que bebem de maneira responsável e nunca perdem o controle de suas vidas, enquanto outras são incapazes de controlar o hábito de beber.

No caso de abuso do álcool, não envolve a vontade incontrolável de beber e perder o controle, e sim a existência de pontos negativos ao consumir bebida alcoólica, porém sem causar grandes transtornos.

De acordo com o Ministério da Saúde, o alcoolismo conhecido também por Síndrome da Dependência do Álcool é composta por quatro elementos principais que podem ou não acontecer simultaneamente:

·           Compulsão: necessidade forte ou desejo incontrolável de beber;

·           Perda de controle: inabilidade frequente de parar de beber;

·           Dependência física: ocorrência de sintomas de abstinência, como náusea, suor, tremores e ansiedade, quando se para de beber após um período bebendo muito;

·           Tolerância: a necessidade de aumentar as quantias de álcool para sentir-se 'alto'.

Algumas pessoas conseguem controlar o abuso de álcool antes que ele se transforme em dependência, enquanto outras não conseguem. Ninguém sabe quais daqueles que abusam do álcool conseguirão ou não recuperar o controle, mas a quantidade de álcool que uma pessoa ingere pode influenciar na probabilidade de se tornar dependente.

É difícil estabelecer critérios gerais que diferenciem quem bebe muito de quem é alcoólatra. Não é possível estabelecer um valor numérico, como a quantidade de álcool ingerido, pois cada pessoa tem um metabolismo diferente. O que é muito para uns pode ser pouco para outros e vice-versa.

Atualmente, os critérios usados para definir alcoolismo se baseiam no prejuízo social e pessoais sofridas por quem abusa das bebidas alcoólicas, ou no surgimento de sinais de abstinência e dependência pela interrupção da bebida.

No Brasil por ano, pelo menos 35 mil pessoas morrem em decorrência de acidentes. Só em rodovias federais, essa quantidade se aproxima a sete mil. Em uma lista de causas de desastres, a ingestão de álcool aparece entre os sete vilões dos acidentes em estradas. Não se pode negar que motoristas alcoolizados potencializam a gravidade dos acidentes.

Segundo a ONU (Organização das Nações Unidas), 2,5 milhões morrem por ano no mundo por conta dos efeitos nocivos das bebidas alcoólicas.

Com o objetivo de criar uma situação de responsabilidade por parte dos consumidores que abusam do álcool, o governo através da Lei Seca, reforçou a vigilância policial e a punição mais severa do condutor alcoolizado.

Entre as principais consequências do consumo excessivo do álcool para o organismo humano está o mau funcionamento de órgãos vitais como fígado, coração e estômago, além de ser um fator de risco para o desenvolvimento do câncer na língua, boca e vesícula biliar e para hepatite e cirrose. 

O indivíduo que não deseja se tornar um alcoólatra deve seguir algumas recomendações:

·           Evitar beber diariamente;

·           Não ultrapassar a dose máxima estipulada por dia: uma para mulheres e duas para homens. Por exemplo: 1 dose equivale a 1 lata de cerveja ou 140ml de vinho tinto (se beber, não dirija);

·           Tomar água para dar uma pausa enquanto estiver consumindo bebida alcoólica.

 

Lembrem-se: Seja responsável, beba com moderação e

não dirija ao consumir bebida alcoólica.

 

Fonte de pesquisa: https://www.informalcool.org.br; http://www.saojoaquimhospital.com.br; http://portal.saude.gov.br;




Escritório Central
(17) 3214-6499

Unidade Administrativa
Rua XV de Novembro, 4488 - Redentora
CEP 15015-110 - São José do Rio Preto/SP
Unidade Medicina Preventiva
Rua Redentora, 3140 - Redentora
CEP 15015-780 - São José do Rio Preto/SP
Unidade Comercial
Rua Redentora, 3238 – Redentora
CEP 15015-780 – São José do Rio Preto/SP
© Bensaúde - Todos os direitos reservados
desenvolvido por Diginova - Sites e Sistemas