Medicina Preventiva /

Notícias

Anorexia e Bulimia na Adolescência

31/01/2014

A anorexia e a bulimia são distúrbios alimentares dos quais o número de casos vem aumentando especialmente em adolescentes do sexo feminino e com boa condição socioeconômica e cultural. 


O desejo fixo pela magreza e a busca pelo corpo ideal são características fundamentais para entender esses dois distúrbios.

 

 As pessoas com estes transtornos têm em comum uma preocupação excessiva com o peso, medo de engordar e uma distorção da imagem corporal em que a pessoa não se vê conforme se apresenta na realidade.

 

ANOREXIA

Caracteriza-se pela necessidade que a pessoa tem de diminuir o peso, recusando-se a comer e alegando falta de apetite. A recusa é voluntária e na fase inicial da doença, não ocorre uma perda real do apetite. Mais tarde o organismo pode acostumar-se com a pouca alimentação e a pessoa pode chegar até a inanição.

 

As pessoas que apresentam anorexia possuem uma dieta com a restrição de grupos alimentares, eliminando aqueles que julgam mais calóricos, mesmo apreciando esses alimentos. Essa restrição alimentar aumenta progressivamente, com diminuição do número de refeições, podendo evoluir drasticamente, até o jejum, desejando a todo custo ficar cada vez mais magro.

 

O anoréxico pode morrer em estado de desnutrição. Desidratados, os pacientes sofrem perda de eletrólitos, principalmente potássio, fundamental para o funcionamento muscular e cardíaco.

 

BULIMIA

Caracteriza-se por episódios repetidos de compulsão alimentar seguidos de comportamentos compensatórios inadequados, tais como vômitos, uso indevido de laxantes, diuréticos e/ou outros medicamentos, jejuns e também pode associar exercícios excessivos. A pessoa sente uma fome excessiva, e em seguida, busca mecanismos para eliminar o alimento consumido. Neste transtorno há a compulsão alimentar que é a perda do controle sobre a ingestão dos alimentos, onde a pessoa ao se ver diante de alimentos "devora" tudo. Normalmente ela come sozinha e escondida, não se importando com o sabor da comida ou sua combinação.  Após o episódio compulsivo, sente-se culpada e com certo mal estar físico em razão da quantidade excessiva de alimentos ingeridos, ocorrendo-lhe a ideia de induzir o vômito para não engordar. Este comportamento lhe traz satisfação e alívio momentâneos e assim ela pensa em ter descoberto a forma ideal de manter o peso sem restringir os alimentos que considera proibidos.

 

O comportamento compensatório e inadequado de recorrer à indução do vômito, se dá com a utilização dos dedos, colheres ou cabo da escova de dentes e para escondê-lo a pessoa bulímica, muitas vezes, toma o cuidado de praticar o vômito debaixo do chuveiro para lavar o local e dar tempo para sumir o cheiro, pois se preocupa em esconder este comportamento. A frequência desses episódios é variável podendo ocorrer várias vezes em um único dia ou em uma semana. Diferentemente do anoréxico, o bulímico não tem desejo de emagrecer mas, pelo menos, manter o peso.

 

O paciente nem sempre emagrece. Ainda que ele induza o vômito ou use laxantes e/ou diuréticos, entre 30% e 50% da alimentação são absorvidas pelo corpo.

 

O bulímico pode morrer devido aos métodos purgativos há pacientes que chegam a vomitar 15 ou 20 vezes por dia que estimulam a desidratação e perda de eletrólitos.

 

CAUSAS

São várias as causas, mas alterações na dinâmica familiar como perdas, separação, nascimento de irmão ou acolhimento de novos membros podem desencadear a doença.

 

Em geral, os pacientes bulímicos ou anoréxicos, muito antes da doença estabelecida, já apresentam alguma alteração do comportamento: hábito de fazer dieta mesmo quando o peso é proporcional a estatura, crítica constante a alguma parte do corpo e insatisfação mesmo ao perderem peso, com diminuição gradativa de suas atividades sociais.

 

SINTOMAS

Fadiga, queda de cabelos, pele seca, constipação, dor abdominal, inflamações anais, dormência, intolerância ao frio, ausência dos ciclos menstruais e infertilidade são alguns sintomas predominantes. Ainda é possível encontrar aumento da ansiedade e da impulsividade, abuso de drogas ilícitas e álcool, promiscuidade sexual e risco de suicídio.

 

Juntamente com esses sintomas, é frequente o baixo rendimento escolar devido a falta de concentração, apatia, desânimo e sonolência que eles procuram justificar com outras causas, escondendo o verdadeiro motivo desses sintomas. Psicologicamente, pessoas com esses distúrbios possuem baixa autoestima, excessivo perfeccionismo, medo de mudanças, preocupações excessivas, hipersensibilidade, rigidez de caráter e conduta, dificuldade em expressar emoções, necessidade de ser aceita e agradar a todos e chamar a atenção.

 

TRATAMENTO

O tratamento se dá com ou sem internação e utiliza de equipe multiprofissional com intervenções medicamentosas, psicológicas e nutricionais.

 

Na maioria dos casos, o uso de medicamentos são destinados a corrigir as distorções do pensamento associados aos transtornos da imagem corporal e os sintomas depressivos associados às alterações do apetite, considerando-se ainda, as complicações devido aos distúrbios orgânicos provocados pelo transtorno. A introdução de alimentação parental pode se fazer necessária para reposição de oligoelementos, vitaminas e sais minerais bem como a adequação da dieta.

 

Ambas são doenças crônicas, de difícil controle. É necessário o acompanhamento a longo prazo e as recaídas são frequentes. O diagnóstico e o tratamento precoce podem fazer toda a diferença entre o fracasso e o sucesso terapêutico.

 

Fontes: http://veja.abril.com.br; www.conversandocomopediatra.com.br; www.psiquiatriaepediatria.com.




Escritório Central
(17) 3214-6499
Central Comercial
(17) 3214-6482
(17) 9 9772-6466

Unidade XV de Novembro
Rua XV de Novembro, 4488 - Redentora
CEP 15015-110 - São José do Rio Preto/SP
Unidade Redentora
Rua Redentora, 3140 - Redentora
CEP 15015-780 - São José do Rio Preto/SP
© Bensaúde - Todos os direitos reservados
desenvolvido por Diginova - Sites e Sistemas